Translate

Lancha Salvamento "Altair" (1946-1955)

NRP Altair
Foi construída durante a Segunda Guerra Mundial em Inglaterra, e pertencia ao tipo FAIRMILE B. Adquirida por Portugal em 1946, foi abatida em 1955.


Características
Tipo: Lanchas de Salvamento
Deslocamento: 82 toneladas
Dimensões: 34 m comp.; 5,3 m boca; 1,2 m calado
Propulsão: 2 motores diesel de 1120 h.p. - 2 veios = 21 nós
Guarnição: 15 marinheiros

Caça-Minas Classe "Faial" (1943-1971)

Os navios, que viriam a constituir a classe Faial, eram anteriores arrastões armados da Royal Navy britânica, colocados ao serviço por ocasião da Segunda Guerra Mundial.Foram construídos centenas naval trawlers de várias classes, que diferiam umas das outras apenas em pequenos pormenores. Por curiosidade, uma delas era a classe Portuguese, constituída por 12 arrastões construídos em Portugal.

NRP Faial (1943-1967) Ex-HMS Mangrove (T 112)
No âmbito da cedência de facilidades nos Açores aos Aliados, durante a Segunda Guerra Mundial, o Reino Unido emprestou oito arrastões armados a Portugal, entregues em 1943. Os arrastões destinavam-se a reforçar a capacidade portuguesa de luta anti-submarina e de dragagem de minas nas águas dos Açores e de Portugal Continental.Na Marinha Portuguesa, os arrastões receberam os números de amura P1 a P8, sendo designados pelos mesmos, já que não foram baptizados com nomes próprios. Os navios mantinham-se propriedade do Reino Unido, mas eram operados sob bandeira e tripulações portuguesas.

NRP Terceira (1943-1957) Ex-HMS Hayling (T 271)
Finda a Segunda Guerra Mundial, até Junho de 1946, quatro dos oito arrastões emprestados foram devolvidos ao Reino Unido (os P5, P6, P7 e P8). Os arrastões P1, P2, P3 e P4 foram adquiridos por Portugal, sendo integrados como vapores da Marinha Portuguesa. Os navios integrados foram baptizados com nomes de ilhas dos Açores: NRP São Miguel (P1), NRP Faial (P2), NRP Terceira (P3) e NRP Santa Maria (P4). Em Outubro do mesmo ano, os navios passaram a ser classificados como patrulhas, mantendo-se o seu nome, mas mudando o seu número de amura.

NRP São Miguel (1943-1956) Ex-HMS Bruray (T 236)
Em 1951, os navios foram reclassificados como draga-minas. Em 1956, a Marinha Portuguesa, ao receber novos draga-minas com cascos em madeira, reclassificou os navios da classe Faial como caça-minas, em virtude dos seus cascos metálicos só lhes permitirem a dragagem de minas fundeadas. Os caça-minas da classe Faial foram, sucessivamente, abatidos ao serviço, até 1971.

NRP Santa Maria (1943-1971) Ex-HMS Whalsay (T 293)
Em 1948, Portugal adquiriu mais dois naval trawlers, o NRP Salvador Correia e o NRP Baldaque da Silva. Estes dois últimos navios serviram, durante a maioria da sua carreira como navios hidrográficos, com excepção de breves períodos em que foram usados como navios de patrulha e de guerra de minas. Participaram em missões hidrográficas nas águas de Portugal Continental, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Angola.

NRP Salvador Correia II (1948-1961) Ex-HMS Saltarelo (T 218)

NRP Baldaque da Silva (1949-1967) Ex-HMS Ruskholm (T 211)

Características
Tipo: Arrastão-Armado
Deslocamento: 780 toneladas
Dimensões: 50 m comp.; 8,4 m boca; 4,10 m calado
Armamento: 1 peça de 76 mm; 1 peça de 20 mm; 2 metralhadoras de 7,7 mm; 2 foguetes anti-aéreos; 2 morteiros anti-submarinos; 2 calhas lança-bombas A/S; minas
Propulsão: 1 máquina de T.E. - 1 veio =13 nós
Guarnição: 52 marinheiros

Navio-Tanque "São Brás" (1942-1976)

Foi a 4.ª unidade naval construída pelos Estaleiros do Arsenal do Alfeite para a Marinha de Guerra Portuguesa e um dos seus maiores navios construídos, em termos de dimensão e deslocamento. Inicialmente, o navio era chamado Sam Braz de acordo com a grafia da época. Enquanto decorria a Segunda Guerra Mundial, foi durante muito tempo o único navio a assegurar o fornecimento de combustíveis ao país.

NRP São Brás fundeado
Inicialmente, o navio era chamado Sam Braz de acordo com a grafia da época. Enquanto decorria a Segunda Guerra Mundial, foi durante muito tempo o único navio a assegurar o fornecimento de combustíveis ao país.


Em 1967, foi modernizado e transformado em navio de apoio logístico, sendo destacado para Moçambique. Essa transformação consistiu em equipar o navio com oficinas, hospital, pista para um helicóptero médio, alojamentos extra e duas lanchas de desembarque pequenas. O navio foi abatido ao serviço em 1976, pouco tempo depois do final da Guerra do Ultramar.

NRP São Brás no porto da Beira
Características
Tipo: Navio-Tanque
Deslocamento: 7375 toneladas
Dimensões: 107,75 m comp.; 15,15 m boca; 5,01 m calado
Armamento: (1970) 1 paça 76 mm; 2 peças 40 mm; 2 peças de 20 mm;
Propulsão: 1 motor diesel de 2 820 b.h.p. 1 veio = 13 nós
Carga: 3 000 tons de fuel; 40 tons de gasolina para aviação; 50 tons. de lubrificantes; 100 tons. de água potável.
Guarnição: (1970) 100 marinheiros

Lanchas de Fiscalização Classe "Azevia" (1941-1976)

NRP Azevia (1941-1976)
Foram construídas em Portugal, no Arsenal do Alfeite, em plena Segunda Guerra Mundial.


NRP Bicuda (1941-1976)
Destinavam-se essencialmente à fiscalização das pescas, ao largo da costa de Portugal Continental.

NRP Corvina (1943-1976)
Os navios da classe foram baptizados com nomes de peixes, cuja letra inicial indicava a ordem do navio
NRP Dourada (1943-1976)
NRP Espadilha (1945-1969)
Características
Tipo: Lanchas de Fiscalização
Deslocamento: 275 toneladas
Dimensões: 42 m comp.; 6,5 m boca; 2,12 m calado
Armamento: 2 peças de 20 mm;
Propulsão: 2 motores diesel de 2400 h.p. - 2 veios = 17 nós
Guarnição: 30 marinheiros